quinta-feira, março 24, 2005

Amalfi: cidade construída pelas regras da natureza

Falei antes que só ia falar besteira nesse blog, mas nao deu pra resistir: segue aí um pouco de reflexao séria. As fotos para ilustrar o que estou falando eu prometo disponibilizar muito em breve.

Durante essa viagem à Itália que antecedeu o início das aulas em Potsdam, estivemos basicamente em dois lugares: Roma e a Campania, regiao ao sul que pega Nápoles e as cidades litorâneas da Costa Amalfitana. Em Roma, tudo é suntuoso, das ruínas antigas às igrejas do Renascimento, uma arquitetura projetada para impressionar. Já as cidades da Costa Amalfitana sao erguidas anarquicamente sobre escarpas íngremes que caem no mar. Elas tem uma configuracao tridimensional, com ruas que abrem túneis por baixo de casas, casas que ficam dentro de túneis, pontes e escadas por todos os lados e quase nenhum acesso por carro. O sujeito pode se locomover nao só para frente e os lados, como também para cima, para baixo, e para onde mais levarem as imprevisíveis ruelas estreitas.

Qual dos dois ambientes é o mais interessante já ficou meio óbvio. Amalfi é ao mesmo tempo a antítese das arquiteturas moderna e clássica. As paisagens variadas que se controem ali dentro sao as que mais se aproximam das criadas pela natureza, pois se de perto nao têm lógica e sao às vezes até feias, o conjunto é muito mais coerente.

Além disso, como na natureza, o todo é fruto do acaso e do interesse particular de cada cidadao, portanto nunca poderá ser projeto de uma só cabeca genial. A autenticidade nesse caso só existe quando vem de uma "guerra de sobrevivência" dos próprios habitantes, e nao de uma planta baixa. Amalfi é um organismo frágil e ao mesmo tempo muito forte, pois por mais que as casas dependuradas sofram risco constante de desabamento, a perda de uma dúzia delas nao compromete tanto o conjunto quanto a falta de um só rococó de igreja barroca ou um só piloti de prédio moderno.

Dava uma boa tese de conclusao de curso. Pena que eu nao sou arquiteto.

3 Comments:

At 8:29 PM, março 28, 2005, Blogger Alexandre said...

Ou voce entende como:conserve as favelas do rio por tempo o bastante até que seu estilo pareca nostalgicamente antiquado.
nao resolvemos o problema da pobreza, mas resolvemos o charme da cidade.

:)
 

At 7:00 AM, março 29, 2005, Blogger Rodrigo Rego said...

cara, mais ou menos:

nunca me embrenhei de verdade numa favela, mas sei que nao tem tanto assim a ver.
Amalfi é uma cidade. Tem flores, plantas, restaurantes, ruas, que mesmo que nao caibam carros, sao bonitas e pavimentadas.
Cheguei tb em um momento a achar que estava fazendo uma ode à favela, mas a diferenca tá aí!

abraco!
 

At 9:33 PM, fevereiro 10, 2006, Anonymous  said...

pelo visto foi o que vc mais gostou. Aquela "bagunça" é realmente linda...até que as nossas favelas ficariam parecidas se tivessem reboco e telhas. não acha?
 

Postar um comentário

Profile

Rodrigo Rego

Sou designer, fascinado por bandeiras, jogos de tabuleiro, países distantes, e uma miscelânea de assuntos destilados quase semanalmente neste espaço.

Visite meu site, batizado em votação feita aqui mesmo, Hungry Mind.

rodrego(arroba)gmail.com
+55 21 91102610
Rio de Janeiro

Melhores Posts
Posts Recentes

Powered by Blogger

Creative Commons License