terça-feira, novembro 08, 2005

A bandeira da Pomerania

Pra se ver como uma coisa puxa a outra, e devagar o que começou com uma gota d’água vira, não uma tempestade, mas sei lá, qualquer coisa, um purê de batata.

Quando eu era pequeno tinha mania de colecionador. Achava coleção uma atividade nobre, um objetivo de vida com muito mais significado que jogar bola e tirar boa nota. Mas em vez de colecionar o que normalmente é colecionável, selos, figurinhas, latas de cerveja, juntava qualquer treco que me parecesse suficientemente bizarro, entre eles:

- bolas de gude
- chapinhas (mesmo sem tomar refrigerante)
- gibis da Mônica
- canudos do McDonalds (só valia do McDonalds, tinha uns cem iguais)
- adesivos na porta do quarto (valia qualquer coisa, nenhum critério)
- pôsteres do Vasco

Mas parecia que eu estava só juntando lixo, nenhuma dessas coleções tinha o apelo de um mural de borboletas, uma estante com garrafas importadas. Querer ser criativo juntando objetos inusitados e ao mesmo tempo que tivessem um mínimo de encanto me consumiu muitos dias de reflexão, até remexer numa gaveta e descobrir um antigo presente da minha vó, que ao voltar de Guarapari me trouxe a bandeira do Brasil e boa parte dos estados. Uma coleção já começada, pouco óbvia e com certo valor agregado.

Virou obsessão. Quen viajasse pra fora já sabia qual era a minha encomenda. Uma vez fui no Pizza Hut com meu pai especialmente pra comer as pizzas típicas do México, Suíça e Coréia do Sul. Horrorosas, mas saí de lá com as três bandeiras da promoção. A coleção foi aumentando. Nunca cheguei nem perto de completá-la, ainda me faltam itens básicos, como Portugal, Egito, Colômbia, mas tive pra lá de um quarto dos países do mundo, um ou outro estado americano, algumas heráldicas inglesas, e noventa por cento dos estados brasileiros.

A coleção e o conhecimento adquirido através dela me rendeu um memorável trabalho de faculdade, analisando graficamente as bandeiras de Antigua & Barbuda e Turcomenistão para concluir que, na improvável hipótese de alguém que tudo soubesse sobre esses dois países mas não conhecesse suas bandeiras, seria fácil, deduzindo pelos elementos de cada uma, dizer de onde eram. Me fez descobrir um site na rede que lista e dá notas para cada bandeira, deixando a brasileira como última colocada entre as nações independentes e a da Gâmbia em primeira (é uma bela bandeira, de fato). E me fez parar ontem na rua ao passar em frente a um restaurante que exibia na frente a bandeira da Pomerânia.

Minha coleção de bandeiras deve estar às traças no Brasil. Já estava antes de eu vir pra cá, várias furadas, traça mesmo, não é metáfora não. Mas ainda corre sangue em suas veias. Ao ver a bandeira da Pomerânia, assim de bandeja, ela voltou à vida, quase ejaculou. A bandeira da Pomerânia é conhecida entre os especialistas como a mais rara de todas, devido às circunstâncias de sua breve existência como nação.

A Pomerânia foi um reino independente por dois séculos no início da idade média. Tirava sua força e influência da exportação de sal, item indispensável na época para a conservação dos alimentos, abundante nas minas da região, que chegavam a cem metros embaixo da terra. Mas a invasão dos hunos, que provocou as derradeiras migrações dos povos bárbaros, estabelecendo por exemplo os francos na Gália, os visigodos na Hispânia e os saxões na Grã-Bretanha, foi fatal para a Pomerânia. O reino não conseguiu se reerguer depois da morte de Átila, o líder huno, e teve seu território reclamado pelos poderes adjacentes, Polônia, Grande Morávia e Hungria. Mas esgotadas as minas de sal, minguou também o interesse dos vizinhos pela região, e a área passou vários séculos em suspenso, sem fronteiras definidas, o pau comendo em volta sem que fosse sequer notada.

O nacionalismo pomerânio só foi renascer em 1848, seguindo uma série de revoltas na Europa, mas de forma tão tímida que não precisou de uma semana para o Império Austro-Húngaro sufocá-lo. A oportunidade seguinte foi no final da Primeira Guerra Mundial, com o desmembramento desse mesmo império, mas, ao contrário da Hungria, Romênia, Iugoslávia e Tchecoslováquia, a Pomerânia só foi reconhecida dezoito anos depois do Tratado de Versalhes. Durou pouco: dois anos depois, Hitler tomava conta do Leste Europeu, e a Pomerânia foi no bolo.

Com a derrota do Terceiro Reich, o país foi dividido entre a Polônia e a União Soviética, e um movimento nacionalista novamente eclodiu. Mas Stalin, no auge de seu poder, não só massacrou toda a população pomerânia, mandando os poucos sobreviventes para o exílio em Vladivostok, como proibiu a reprodução e propagação de símbolos do país, como o brasão, hino, e claro, a bandeira. Com o colapso soviético, não havia mais pomerânios para lutar pela independência de seu país, e assim a região continua dividida entre a Polônia e a atual Ucrânia.

E estava assim, a bandeira dos caras ali, na minha frente, num restaurante especializado em comida pomerânia. Entrei:

– Qual o prato do dia?

– Filé de urso com molho de framboesas.

– Me vê um.

– Ka¢trlvá pra acompanhar?

– Não.

Sei lá o que é isso. Veio o prato. Comi tudo, horroroso. Pedi a conta, chegou.

– Achei que viria com um brinde do seu país.

– Não, senhor, só a conta.

– Mas nem uma bandeirinha?

– Não, senhor.

– Ok, vou abrir o jogo com você. Sou um colecionador. A única bandeira que ainda me falta é a da Pomerânia. Soube desse restaurante e viajei afoito do Brasil para a Alemanha especificamente para adquiri-la aqui. Seria uma grande gentileza da casa me dar de lembrança (ou vender, eu pago, não me importo) uma bandeirinha da Pomerânia.

– Sinto muito senhor, até gostaria de ajudá-lo. Mas a bandeira da Pomerânia não pode ser comercializada, distribuída, nem sequer divulgada. -– e agravando subitamente a voz: – É uma questão religiosa.

– Mas pensei que fosse uma proibição política. E além disso, a Pomerânia sempre foi católica, não conheço nenhuma lei do catolicismo que proíba bandeiras.

– A menos que essa bandeira mostre Jesus e Maria praticando sexo oral.

Ele me mostrou o grafismo no lado superior esquerdo da bandeira. O que podia ser genericamente tomado por um brasão de armas qualquer adquiria novo sentido, as auréolas, tudo. Os símbolos nacionais da Pomerânia, formulados em 1937 às pressas para seguir as exigências necessárias ao reconhecimento do país, foram confiados a Boudek¢va Mouleynko, um pintor dadaísta nativo, que na ânsia por ultrajar e forçar os limites do que é e do que não é arte, adicionou o desenho sacrílego às cores pátrias. Ele passou despercebido, com todos tomando-o por alguma referência ao antigo reino medieval. Mas antes de morrer, Mouleynko confessou em suas memórias o verdadeiro significado do símbolo. A revelação coincidiu com a rebelião nacionalista pomerânia, e Stalin aproveitou o pretexto para implementar uma proibição total, sob pena de morte ao infrator.

O garçom me disse ainda que a bandeira exibida na frente da loja era ligeiramente modificada. Retirando-se o traço reto que representava os genitais de Jesus, a figura podia ser interpretada somente como Maria de joelhos, beijando a mão de Cristo, o que não tinha valor para um colecionador. Perguntei-lhe se havia restado alguma original, escapada da censura soviética, e ele respondeu que apenas duas restaram: uma estava no cofre de um milionário americano, ao mesmo tempo moralista e entusiasta de bandeiras, que a havia adquirido para assegurar-se de que nunca seria mostrada novamente ao mundo. A outra, numa comunidade sobrevivente ao pogrom de Vladivostok, que vivia entre as matas de taiga russas em semi-isolamento, de onde seu pai havia saído para se estabelecer na Alemanha, vinte anos atrás.

Segundo ele, essa comunidade de cerca de quarenta sobreviventes e seus descendentes havia implementado uma nova nação pomerânia ali, numa região grande apenas o suficiente para provê-los de caça e água, cujas fronteiras foram estipuladas por acidentes geográficos de importância irrisória: ao sul do tronco de eucalipto caído, ao norte da caverna onde mora uma família de ursos, a leste da linha de trem que liga Vladivostok ao sul da Sibéria, num ponto distante exatamente duzentos quilômetros de cada lado das estações mais próximas, e a oeste de um tanque de guerra destruído por uma mina durante a guerra da Coréia. Dentro desse pequeno território, eram preservadas as tradições culturais da terra natal. Mesmo que o resto do mundo ignorasse completamente a nação escondida, suspendiam num mastro todo dia pela manhã a bandeira pornográfica, pela honra da Pomerânia.

Terminou o relato chorando. Fomos beber num bar ali perto, o cara é gente fina. E eu desisti de vez da minha coleção.

11 Comments:

At 2:19 AM, novembro 09, 2005, Anonymous Douglas said...

caraca... que história à la Código Da Vinci xD

Tire fotos da bandeira alterada, pra gente ver =]
 

At 11:39 AM, novembro 09, 2005, Blogger Alexandre said...

hahahahaha!

cara essafoi a melhor historia que ja ouvi na minha vida!

cheguei a procurar ate um pouco sobre a pomerania (que tem uma bandeira engracada sim, com um boi botando a lingua pra fora) mas eu admito que parei, sob o risco de descobrir a historia chata de uma regiao da alemanha sem nenhuma bandeira dadaista. Eu guardo a sua versao.

Faz um tempo que decidi que o nosso mundo seria muito mais interessante se Paul mcCartney tivesse de fato morrido de acidente de carro em 67. Adiciono a historia da pomernia a minha nova historia do mundo :)
 

At 12:35 PM, novembro 09, 2005, Blogger Rodrigo Rego said...

vamos aos fatos:

a pomerania nem existe. Ou, como disse o alexandre, existe e é uma regiao chata no mar baltico entre a polonia e a alemanha (sabe o corredor polones? pois é!), que nunca tentou ser independente de nada. Eu só descobri isso agora, pra mim era antes só um nome.

a pergunta que eu ia fazer pra inaugurar os comments e esqueci era: quem acreditou na lorota? e quem nao acreditou, deixou de acreditar onde?

Douglas, acreditou mesmo ou foi ironia?

E caraca, digitem pomerania flag no google. O boi com a lingua pra fora é muito esdruxulo!
 

At 3:32 PM, novembro 09, 2005, Anonymous Douglas said...

Cara, Código da Vinci é uma ficção muito bem contada, mas é ficção xD

No livro fala que Jesus teve um caso com Maria Madalena (boquete na bandeira). E poxa, eu dei a deixa... Era pra vc desenhar a bandeira, colocar no fotolog, falar que arrumou com um contrabandista de Amsterdã, e não ir desmentindo no primeiro post... =P

Eu digitei, é uma bandeira muito da feia. Prefiro a sua versão =]
 

At 10:24 PM, novembro 09, 2005, Anonymous camila, deine liebe schwester=D said...

faltou dizer dos outros descendentes, o cachorrinho lulu da pomerania.
toda velhinha de copacabana tem um!


hahaha ótimaa história rodrigo, adorei!
 

At 8:11 AM, novembro 10, 2005, Blogger Maninha ou Mamae said...

Esta estoria está realmente muito legal. Me prendeu até o fim sua nova elocubraçao.
Pode deixar que sua coleçao de bandeiras está muito bem cuidada ,e, está tudo no lugar certinho.
bjs
 

At 1:58 PM, novembro 10, 2005, Blogger Rodrigo Rego said...

é que eu queria saber se alguém tinha reamente acreditado, o plano original era esse. eu que demorei a escrever.

lulu da pomerania, camila, pode crer... nem me lembrava disso, é o nome da raça mesmo?
 

At 5:33 PM, novembro 10, 2005, Anonymous Bárbara said...

gente,

o que é esse boi com a língua de fora nessa bandeira?

medo... muito medo!
 

At 11:32 AM, novembro 12, 2005, Blogger Mauro said...

Eu deixei de acreditar quando o garçon falou do sexo oral na bandeira. Mas acho que foi o melhor post até agora, o próximo já saiu, ainda estou pra ler. Você devia ter me pedido pra trazer umas bandeiras do canadá, tem umas muito boas, e tem um estado americano com uma bandeira que lembra a do brasil (verde com losango amarelo). Me manda um endereço com o ranking das bandeiras, pra ver se eu concordo, ou a sua lista das 10 mais...
 

At 4:09 PM, novembro 14, 2005, Blogger Rodrigo Rego said...

é do boi com a lingua de fora que vem a expressao boi lambeu, penteado inventado na pomerania e batizado em homenagem a distintiva imagem de sua bandeira. Os pomeranios comecaam a usar pra combinar com seus cachorros quando saissem na rua, e já dá pra inventar daí outra historia.

http://ahpc-jp30.st-and.ac.uk/~josh/flags/intro.html
esse é o site com a avaliacao de todas as bandeiras do mundo. sensacional.

e finalmente, o eu ranking: via meio improvisado, mas vamos lá:
1- Estonia
2- Espanha
3- Alemanha
4- Noruega
5- Brasil
6- Venezuela
7- Gډmbia
8- Nauru
9- Porto Rico
10- Portugal
 

At 11:48 AM, março 13, 2012, Blogger silvald said...

quanta ignorancia, volte a colecionar os seus lixos pois de bandeira vc nao entende nada.
 

Postar um comentário

Profile

Rodrigo Rego

Sou designer, fascinado por bandeiras, jogos de tabuleiro, países distantes, e uma miscelânea de assuntos destilados quase semanalmente neste espaço.

Visite meu site, batizado em votação feita aqui mesmo, Hungry Mind.

rodrego(arroba)gmail.com
+55 21 91102610
Rio de Janeiro

Melhores Posts
Posts Recentes

Powered by Blogger

Creative Commons License