quarta-feira, setembro 05, 2007

A versão do motorista

Prosseguindo o tema do transporte público. Hoje de manhã testemunhei um diálogo sensacional entre motorista e trocadora do 175, sobre as diferenças entre dirigir um ônibus comum ou o ônibus do metrô. Fui anotando enquanto eles falavam, e o resultado é um ponto de vista bem diferente do comum sobre a forma certa de conduzir um ônibus na cidade.

M: Eu paro, abro a porta, o passageiro entra. Eu fecho a porta. “Bom dia, eu sou o condutor tal. Próximo ponto, tal.” Fica um papel pra você saber todos os pontos. Aí só depois de fechar a porta que eu posso andar de novo.

T: Mas tem que falar isso tudo em todo ponto?

M: Tem. E aí vamos supor que o passageiro vem correndo na rua fazendo sinal. Se eu já fechei a porta, não pode abrir de novo.

T: Não pode?

M: Não. E se eu abrir, você fica me controlando. A bilheteira fica com um radinho na mão se comunicando com a central. Se eu abrir, ou se eu fechar alguém, você fala pra central, e a central depois me pune.

T: Eu acho errado não poder abrir a porta pro passageiro.

M: Não. O metrô abre a poarta depois que fecha? Não abre.

T: É.

M: E também não posso ficar parando pingadinho qu enem a gente faz aqui não.

T: Não?

M: Não. Só onde tem a placa do metrô. Ali uma.

T: E só pode parar ali?

M: É. Pára e fala, “Bom dia, eu sou o condutor tal”. Todo ponto. Eu não agüentei não. É quem sobe que tem que dar bom dia, não eu. Eu só dou bom dia se me derem bom dia. Se não quiser, eu fico quieto, se der bom dia aí eu falo com o passageiro. Deu quinze dias cravado eu não agüentei, saltei fora.

T: …

M: E tem também que vamos supor que o camarada me fecha aqui. Que que eu faço, eu vou ali na frente e fecho ele de novo. Ônibus do metrô não, tem que andar retinho. Senão a bilheteira fala com a central.

T: Eu tenho que dar bom dia também?

M: Tem. Só não precisa dizer o nome. Eu nunca mais dirijo ônbus do metrô.

T: Mas você não dirigiu no sábado passado?

M: Foi que eu cheguei atrasado na garagem, aí o despachante falou, pega o ônibus do Pan. Mas por mim não pegava nunca mais. “Bom dia, eu sou o condutor tal!”

T: É.

M: Mas eu não falo. Da vez passada veio uma passageira e falou “A sua empresa não instruiu você não?” Aí eu falei, “Sobre o quê?” . “Como você tem que tratar o cliente!” Ah, brincadeira! “Eu sou o condutor tal!” Fala sério. Não agüentei não.

4 Comments:

At 11:42 AM, setembro 06, 2007, Blogger Mauro said...

Sem comentários
 

At 12:41 PM, setembro 10, 2007, Anonymous pensador said...

Mas esse post não é sobre nada especial.
 

At 8:02 PM, setembro 11, 2007, Anonymous Lili said...

hahahaha...
Ótimo! Bem a cara do Brasil mesmo.
Mas a pergunta é: por que é que não botam uma gravação pro pobre coitado acionar toda vez que abrir a porta? No metrô é gravado...
Bjo.
 

At 9:44 AM, setembro 12, 2007, Blogger Rodrigo Rego said...

Fica meio estranho receber bom dia de uma gravação enquanto o motorista fica quieto, não fica? Eu acho que se todos falassem bom dia pros motoristas de ônibus, a agressividade deles no trânsito diminuiria.

No mais, senti falta do seu nome linkando pra algum lugar...
 

Postar um comentário

Profile

Rodrigo Rego

Sou designer, fascinado por bandeiras, jogos de tabuleiro, países distantes, e uma miscelânea de assuntos destilados quase semanalmente neste espaço.

Visite meu site, batizado em votação feita aqui mesmo, Hungry Mind.

rodrego(arroba)gmail.com
+55 21 91102610
Rio de Janeiro

Melhores Posts
Posts Recentes

Powered by Blogger

Creative Commons License