terça-feira, maio 15, 2007

Coisas que eu não faço quando estou no ônibus

Depois que comecei a trabalhar na Barra, o tempo gasto no transporte entre a cama e o escritório adquiriu súbita magnitude. Gasto mais de uma hora para chegar no trabalho e outra pra voltar, totalizando 1/12 de tédio mortal no meu dia. Abaixo, segue uma relação das coisas que eu não faço nesse intervalo:

- eu não trabalho, nem penso sobre trabalho. Não porque eu tenha alguma política de vida cuca fresca, mas por preferir me preparar pra jornada deixando a mente se abilolar que assim economiza neurônios;

- também não ouço música, por dois motivos: um, no Rio não dá pra dar mole com iPod, dois, eu costumo passar do ponto do ônibus quando estou com headphones;

- não durmo, porque não consigo dormir sentado, em nenhuma hipótese;

- não converso, porque não tomo o ônibus com ninguém conhecido, e nem gosto de usá-lo para fazer novos amigos;

- não leio, também por dois motivos, um que me dá dor de cabeça, dois que minha mãe disse que meus olhos iam cair, quicar e alguém ia pisar neles e eu lesse por muito tempo;

- não adianto posts para o blog, não jogo palavras cruzadas, não escrevo na agenda, nem tenho agenda, não desenho caricaturas dos passageiros, só coloco caneta sobre papel se me ameaçarem com uma faca, porque com o sacolejo do trânsito nunca entendo nada do que anotei.

Daria pra dizer que são duas horas em que o único sentido usado é o tato da bunda no banco, mas na realidade o segundo item da relação de cima, que diz que eu não escuto música, é um pouco omisso. Eu ouço música sim, embora a trilha sonora me seja imposta pelo ônibus do metrô, que tem uma política de usar música clássica como calmante para seus passageiros. De Copacabana à Barra, da Barra a Copacabana, eu ouço inapelavelmente Assim falou Zaratustra, de Richard Strauss.

Não é uma música relaxante. É a música de abertura de 2001, uma odisséia no espaço. Foi usada por Elvis gordo na abertura de seus shows bregas nos anos 70. É homônima de um livro de Nietzsche. Tem horas que todas as tubas e trompetes da orquestra esperneiam ao mesmo tempo, é uma música histérica e tensa, a ponto de qualquer outra coisa, qualquer qualquer, ser mais apropriada para acalmar os nervos. Gangsta rap é mais apropriado. MC Colibri é mais apropriado.

E por causa da insensibilidade dos DJs do metrô, chegamos finalmente à única coisa que eu faço durante a viagem. Eu toco mentalmente aquela passagem conhecida de Eine kleine Nachtmusik, emendo o mesmo trecho um atrás do outro, de novo, de novo e de novo, em protesto contra a repetição massacrante de Assim falou Zaratustra. Não à toa, tenho pensado muito em Mozart ultimamente. Mais sobre ele em breve.

7 Comments:

At 9:20 AM, maio 16, 2007, Blogger Alexandre Van de Sande said...

eu também tinha maior grilo com meu ipod nas ruas do rio. Primeiro eu não saia com ele. Depois eu fingia qu escutava um radio e nem tocava nele. Hoje em dia ele ja é tão essencial quando saio de casa que me sinto perdendo tempo quando estou so andando sem escutar nada. Claro que nao dou mole, evito que as pessoas vejam a cara dele e já até pensei em comprar um radinho velho pra colocar ele dentro...

Mas como já te falei eu escuto pouca musica. Eu assino um monte de podcasts aleatórios e quando saio de cdasa eu vejo o que apareceu de novo no meu ipod. Coisas de nerd.

Coisas que já ouvi no meu ipod:

-o melhor seriado do mundo, as aventuras radiofonicas do doutor floyd
-a história de vida de 10 imperadores bizantinos.
-um livro inteiro do lawrence lessig
-um programa todo em lingua havaiana que nao entendia nada mas com musicas bacanas
-o álbum tommy inteiro, comentado por tres paulistas meio sérios meio não
-um grande mashup de musicas dos beatles sobre o fato do paul estar morto
-um programa de rádio dos anos 60 onde um pastor fica ouvindo led zeppelin ao contrario pra encontrar mensagens do demonio
-o significado das letras de abbeyroad
-a cena de rock psicodelico no japao
-uma aula de astronomia
e, claro,
-aprenda hindi ouvindo filmes de bollywood!

Ok. Não sei se isso qualifica como "aproveitar melhor meu tempo". Mas eu me divirto com essas pequenas coisas estupidas e aleatorias.
 

At 2:44 PM, maio 16, 2007, Blogger Mauro said...

Se não fosse pela jornada de 2 horas por semana indo e voltando da cinelândia pra fazer aula de piano (onde eu estava com a cabeça?) eu nunca teria adquirido o hábito da leitura. Não ler no ônibus é um grande atraso cultural.

Você pode juntar dinheiro e comprar uma moto, mas aí também não vai poder usar headphone (pra não perder o equilíbrio), nem ler. Pelo menos vai passar menos tempo viajando e ter mais emoção na viagem.
 

At 2:47 PM, maio 16, 2007, Blogger Mauro said...

Ei, durante o engarrafamento com o ônibus parado você também tem problemas pra ler? Acabei de lembrar que é por isso que dava pra ler no caminho entre a puc e a cinelândia (também era por isso que demorava tanto)
 

At 10:07 AM, maio 17, 2007, Blogger Luyza said...

Tb udei varias tecnicas pra usar ipod no onibus no rio: a primeira e mais obvia: colocar fones pretos e deixar ele na bolsa e tocar o minimo necessario. A segunda era sempre guardar quando passava no ponto em frente a rocinha no tunel zuzu angel e pegar de novo uns pontos na frente. A terceira e mais paranoica era colocar um radinho vagabundo na bolsa pra dar esse se fossem me roubar (assim como deixar documentos e cartoes fora da carteira). A proposito, onde vc esta trabalhando na barra? Fiz muitas vezes esse caminho e ainda inumeras nao pude, pois o tunel ficou fechado por tiroteios e a niemeyer ficava intransitavel. Muitos chopps forcados depois do trabalho esperando o Sr. Traficante ir pra casa dormir.

Hoje prefiro gastar meia hora no S-Bahn pro trabalho, ver dvds no Laptop, so tendo q prestar atencao no controlador e nao no ladrao.

Mas o Dj Metro deixa a music no repeat e pronto? isso eh tortura.
 

At 2:14 PM, maio 20, 2007, Blogger Rodrigo Rego said...

Ainda arrumo tempo pra pelo menos clicar em todos esses links bizarros...
 

At 8:39 PM, maio 21, 2007, Anonymous paula said...

que tal vc pensar na sua linda namorada enquanto está no ônibus? vai ser o highlight do seu dia!
 

At 1:03 PM, junho 10, 2007, Blogger Mauro said...

Acho que você poderia levar um bloquinho e fazer notas sobre poissíveis temas para um post. Tem me ajudado.
 

Postar um comentário

Profile

Rodrigo Rego

Sou designer, fascinado por bandeiras, jogos de tabuleiro, países distantes, e uma miscelânea de assuntos destilados quase semanalmente neste espaço.

Visite meu site, batizado em votação feita aqui mesmo, Hungry Mind.

rodrego(arroba)gmail.com
+55 21 91102610
Rio de Janeiro

Melhores Posts
Posts Recentes

Powered by Blogger

Creative Commons License