terça-feira, julho 18, 2006

A arte da compilaçao

É dupla a minha relação com Alta Fidelidade, e é essa duplicidade que me impeliu a estampar por muito tempo esse filmeco ranheta na segunda posição na minha lista dos dez. A dualidade reside na forma como ele me despertou uma compulsão adormecida – a de elaborar top tens dos mais variados assuntos -– e sedimentou outra já latente, ao elevar a gravação de fitas cassete a uma forma de arte.

Adorava gravar fitas cassete quando tinha uns quinze anos. A capacidade de seleção e ordenação de músicas oferece uma oportunidade única de aventura criativa no campo musical praqueles de nós que não conseguiram aprender a tocar violão. E sob a influência de John Cusack, passei a gravar de tudo. De início, trilhas pra churrascos e festas, como todo mundo. Depois, coletâneas pessoais das bandas favoritas. Em seguida, a praga das compilações temáticas. Como aquela que só tinha canções sobre o tempo, de Pink Floyd a Pato Fu. Havia outra em que cada música discursava sobre um dia da semana. Uma delas tinha só as piores músicas dos melhores artistas, chamei-a de “Detest of”. A mais louca talvez fosse a fita dupla em que as canções vinham em ordem alfabética, vinte e seis, uma começando com cada letra. Por falta de espaço e repertório, terminava com “Zed’s dead, baby”, uma faixa da trilha sonora de Pulp Fiction em que a namorada pergunta ao Bruce Willis de quem era aquela motocicleta, e ele responde:

– It’s not a motorcycle. It’s a chopper.

– And whose chopper is this?

– It’s Zed’s.

– Who’s Zed?

– Zed’s dead, baby. Zed’s dead.

E acabava com um ronco de moto, durava vinte segundos, exatamente o que me sobrava na fita antes do fim. Aos poucos meu refinamento na escolha de músicas avançou além da preocupação com o tempo de gravação restante, e descobri que um tema não é suficiente pra dar coesão a uma seleção de músicas. Mas também nunca gostei de juntar músicas sem nenhum pretexto, e o conflito me abriu alguns anos de crise criativa.

Mas com a ajuda do iTunes, voltei à labuta hoje, arquitetando minha obra-prima, que demorou um ano e dois meses da concepção inicial à finalização. O conceito por trás das dezoito músicas selecionadas é: euforia desmedida. Todas elas são essencialmente eufóricas e imagino que a audição da seqüência vá abrindo exponencialmente o sorriso do ouvinte. A pesquisa de repertório se deu de forma incidental: fui apenas fisgando o que dava sopa na frente. Inúmeras músicas foram cogitadas para a compilação, mas o conceito de felicidade levado às últimas conseqüências peneirou quem era só alegrinho. Snookeroo, do Ringo Starr, excelente canção, contagiante, mas só parcialmente eufórica, não entrou. Paródias, como a versão maluco-beleza que um palhaço fez para a depressiva Creep, do Radiohead, foram impiedosamente limadas, assim como as piadas disfarçadas de músicas (Don’t eat the yellow snow, dizia Frank Zappa ao esquimozinho, sobre os cocôs de Husky). Pularam do barco ainda as que dissimulam uma alegria forçada (Wilbury Twist, os Travelling Wilburys mandando todo mundo botar a cueca na cabeça), e as mais difíceis de detectar, as que escondem panos de amargura por trás da aparente joie de vivre (a melancolia engolindo o sol e praia dos Beach Boys).

O resultado são canções de gramática coincidente: abundância na repetição de refrãos, batida acelerada e levada pop. E nenhuma música em português: tenho a impressão que a falta de fluência na língua ajuda a concentrar o foco nas emoções por trás da melodia, e nesse caso, eu queria a histeria absoluta, nada de racionalidade. Eis a lista:

1- I’m in heaven when you smile; Van Morrison
2- Obladi oblada; Beatles
3- My love; Petula Clark
4- Dreaming of you; The Coral
5- Like ice in the sunshine; BossHoss
6- Nur ein wort; Wir Sind Helden
7- Two princes; Spin Doctors
8- Alright; Supergrass
9- I’m Henery VIII, I am; Herman’s Hermits
10- The celtic soul brothers; Dexys Midnight Runners
11- Life is an adventure; Violent Femmes
12- Squeeze box; The Who
13- Sunny; Johnny Winters
14- Veronica; Elvis Costello
15- She’s eletric; Oasis
16- Oh Yoko; John Lennon
17- I’m a cuckoo; Belle & Sebastian
18- J’ai connu de vous; Burghart Klaußner

Baixem, e ouçam de preferência nessa ordem, para acompanhar a mudança gradual no tom das felicidades descritas em cada música, da euforia anárquica no início à alegria robusta, gentil e tranqüila com que se espera que o ouvinte termine o dia.

E aceito sugestões para inclusão no volume dois.

32 Comments:

At 10:53 AM, julho 19, 2006, Anonymous Anônimo said...

Hmm I love the idea behind this website, very unique.
»
 

At 11:24 AM, julho 19, 2006, Blogger Bernardo said...

esses spams estão cada vez mais vagos em seus comentários...
O "enlarge your penis" ia direto ao ponto. hahahaha
 

At 9:48 PM, julho 19, 2006, Anonymous Bárbara said...

nossa.. Nur ein wort é uma das minhas músicas preferidas de todos os tempos, sem dúvida. Mas a letra dela me entristece desmedidamente. Talvez porque eu já tenha passado pela situação desesperadora de ficar dias seguidos sozinha do lado de um alemão silencioso, puxando papos em vão e pensando "bitte, bitte, nur ein oh!"

E, comentário atrasado: genial a instalação do guerra e paz em dois livros. ge-ni-al.

bjs!
 

At 9:48 PM, julho 19, 2006, Anonymous paula said...

não conheço metade das músicas listadas aí. enqto baixo, alguns comentários:

1 - i'm a cuckoo devia estar logo entre as primeiras!! é mt, mt boa, ouvi bastante semana passada no carro
2 - obladi oblada é legal, mas não me causa grandes emoções
3 - "we are young" do supergrass não seria "alright"? aquela "we are young, we run green..."
4 - já reparou que she's electric termina igual à "with a little help from my friends"??

bom, eu não tenho mts preconceitos musicais; adoro coisas trash (tipo latino e funk), madonna e música pop de rádio, daquelas beeeem chicletes - são essas que conseguem me animar mais. se eu fizesse um cd euforia provavelmente teria mt de tudo isso aí. mas partindo para uma coisa mais "de qualidade" eu recomendaria:
it's the end of the world as we know it - REM
take me out - franz ferdinand
there she goes - the la's
two hearts - phil collins
retrato pra iaiá - los hermanos
she's losing it - belle & sebastian

não sei se ficou boa essa listinha. eu não sou uma pessoa mt racional e acho que por isso não consigo ordernar meus gostos, então essa coisa de fazer listas e tops da vida é mt esquisita pra mim (apesar de há uns 5 anos atrás já ter gravado um cd "animadinho" desse tipo). faça um de filmes, acho q ia ficar interessante!!
bjos!
 

At 9:53 PM, julho 19, 2006, Anonymous paula said...

ah, esqueci: tem "pump it", do black eyed peas, que eu acho mt boa; ela usa a trilha do pulp fiction como base. nao sei se vc tem algo contra música de patricinha, mas essa até os meus amigos indies mais chatinhos gostam.


(o tamanho dos meus comentários é proporcional ao tamanho dos posts :)
 

At 5:04 AM, julho 20, 2006, Anonymous Luyza said...

Love is al that i can give to you, mas nao sei de quem eh... (L is for the way you look at me, O is for the only one i see, V is very very...). incluiria no cd 2. nao da pra fazer um post com mp3 pra baixar? ou esse seria o fim do desembolog? esse post tinha q ser audivel...
que engracado esse spam... primeiro elogia, o proximo com certeza vai peidr alguma coisa... eles agora tem psicoloiga esse spammers....

bjos
 

At 7:13 AM, julho 20, 2006, Anonymous luyza said...

alias, uma lista de musicas "euforia" jamais, de maneira nenhuma, poderia incluir qualquer exemplar dos los hermanos... e a lista das mais depressivas deveria incluir "morreu na contramao atrapalhando o transito..." do chico buarque e creep de radiohead. Na lista das mais cinicas "das Spiel" da Annett Louisan. E legal essa brincadeira, hein?
 

At 8:01 AM, julho 20, 2006, Anonymous Bárbara said...

luayza,

a música é L.O.V.E, e a versão mais fofa é, de longe, a do Nat King Cole. Como diria sua irmã, é Megafófis! :-)
 

At 9:17 AM, julho 20, 2006, Blogger Rodrigo Rego said...

Baixarei todas as dicas de vocês avidamente muito em breve, inclusive as músicas de patricinha =) Nada contra elas, mas Paula, acho que vc deve ter um conceito meio torto de felicidade, né não, incluindo não só los hermanos mas também it's the end of the world as we want it, essa obra-prima do otimismo...

Quanto à minha lista, não está em ordem de preferência, só em ordem de o que tem mais a ver com o quê. E o Supergrass, certíssima. Corrigido.

Luayza, quanto a colocar as músicas pra ouvir, não sei como é possível de fazer. O que sei é que precisaria de um espaço virtual pra armazená-las, coisa que ainda não tenho. Não seria o caso de nossos amigos Alexandre ou Thadeu darem uma força?

Mas enquanto não estiverem online... baixem!

Quanto ao spam, esse aí é o melhor. O cara conseguiu spammeat todos os posts dessa página!

E Nur ein Wort, Bárbara, devia virar comercial do iPod. Já reparou como o refrão "Bitte gib mir nur ein wort" soa igualzinho a "Better give me more iPod"?

bjos!
 

At 5:10 PM, julho 20, 2006, Anonymous paula said...

po, retrato pra iaiá nem é triste! (na verdade pra mim aquela letra é sem pé nem cabeça. mas como é bom pensar polianamente eu imagino que ela seja feliz)
eu nao acho que uma música "euforia" precise de uma letra otimista pra animar. tudo depende do humor da pessoa enquanto está escutando e outras varáveis que eu estou com pregui de citar.
e meu conceito de felicidade não é torto, é que eu me divirto com pouco mesmo. ainda não sei se isso é bom ou ruim...
 

At 12:26 AM, julho 21, 2006, Blogger Mauro said...

"Walking on Sunshine" Catherine and the waves

"La reine" Les cowboys fringants

Itunes? Essa lavagem cerebral que a apple faz nas pessoas me deixa com medo.
 

At 12:30 AM, julho 21, 2006, Blogger Mauro said...

Ah.. tem "Sunny side of the street" Gosto da versão do Timmy dorsey, da do Benny Goodman... dá pra fazer um cd inteiro só de regravações dessa música.
 

At 4:26 PM, julho 22, 2006, Anonymous luciana said...

Oi Rodrigo!
Tudo bem?
Passei aqui para dizer que continuo lendo seu blog e também para dizer que estou esperando o post com sua lista dos melhores filmes!
Quais filmes você colocaria num dvd com uma capacidade relativamente (lê-se muuuuuito) grande?
Falando nisso... você já assistiu noviça rebelde?
Espero resposta!
beijos
 

At 12:16 PM, julho 24, 2006, Blogger Rodrigo Rego said...

Baixei as músicas todas. Gostei de muitas, mas acho que a única delas que incluiria no volumme 2 é Walking on Sunshine. Não por ser a minha preferida (La reine é bem mais legal), mas é a que tem mais a ver. A do Phil Collins talvez entrasse, mas... não, Phil Collins não.

Luciana, que bom que vc continua aí! Eu continuo sem ter visto noviça rebelde (vergonha, vergonha!), mas meu top ten de filmes já foi postado há muito tempo, e continua inalterada, lembra? tá aqui: http://www.blogger.com/comment.g?blogID=11120388&postID=113075045354895163
 

At 4:16 AM, julho 25, 2006, Anonymous Filipe said...

Se eu disse que nunca ouvi nenhuma dessas músicas, você acreditaria...?
Enfim, isso me lembrou uns CDs gravados com músicas de "momentos meus"....
 

At 10:55 AM, julho 25, 2006, Anonymous Lili said...

Já ouviu Obladi-Oblada na versão Pato Fu? É bizarra. :D

Eu tou quase fazendo uma compilação de versões da música do filme Closer, aquela do Demian Rice. Além das porcarias nacionais, pela minha andança na Europa, descobri que tem uma pra cada idioma, inclusive em grego. Mais uma vez bizarro.

Quanto às músicas eufóricas... das tuas eu conheço poucas. Não sei se colocaria Two Princes. É só bacaninha, não é fodona. Mas com certeza colocaria I Feel Good, do James Brown, Me and The Major, do Belle & Sebastien e Shine Happy People, do REM com a maluquetes do B 52's.

Bjo.
 

At 10:58 AM, julho 25, 2006, Anonymous Lili said...

Ah, e esquece esse iTunes! Pra ouvir o melhor ainda é o Winamp e pra ripar o Midia Player. O iTunes ripa em mp4, não em mp3, o que significa que só toca no iPod. Esforço jogado fora.

Bjo.
 

At 5:34 PM, julho 25, 2006, Anonymous paula said...

po, o que as pessoas têm contra o phil collins?? muito preconceito isso!!!
 

At 11:08 PM, julho 25, 2006, Blogger Rodrigo Rego said...

Bom, Filipe, a intenção das músicas na verdade é ser generalista, cara. Posso estar sendo ambicioso, mas dou minha cara a tapa que ouvir essa seqüência de uma tacada só deixa qualquer um exultante!

Lili, vc pegou num ponto crucial. Shiny Happy People. Pelo título, pela introdução, pela letra, dá vontade de colocar essa música na coletânea. Mas vc não acha que ela é cantada assim, de forma melancólica? Que ele parece estar se lamentando, ou desprezando, a alegria das pessoas. Bom, eu acho. E eu que sou o dono do blog. Hahaha!

Paula, como assim? Eeeeu, algo contra Phil Collins? Daonde te saiu essa idéia?

E chegaremos a vinte comentários? A conferir.
 

At 5:38 PM, julho 26, 2006, Anonymous bárbara said...

o i-tunes ripa bem em mp3, é só configurar nas opções de ripagem

vinteeee
:-)
 

At 8:56 PM, julho 26, 2006, Anonymous Lili said...

Eu descartei o iTunes. Até gostava dele, mas fiquei com o Winamp mesmo. Mais leve e tudo. E enquanto eu não tiver cacife (leia-se bolso) pra ter um Mac essa coisa de ter ferramentas de Apple não rola. É muita maldade.

E não acho não, Rodrigo, que Shine Happy People seja cantada de forma melancólica. Mas vc é o dono do blog, fazer o quê.

vinte ummmm! :D
 

At 11:46 AM, julho 27, 2006, Anonymous paula said...

eu nao sei se a menção ao phil collins foi uma ironia que eu nao consegui pegar...
 

At 3:03 PM, julho 27, 2006, Blogger Rodrigo Rego said...

Nao, nao teve nada de profundo na ironia do Phil Collins nao. Mas eu nao gosto dele. Acho que nao combina o respeito que o cara adquiriu com a qualidade das musicas. Essa Two hearts, acho que nem e o caso, gostei bastante, mas a maioria acho bem babas.

Quanto a quantidade de comentarios, acho que mais do que indicar o interesse no assunto, ja esta querendo dizer que eu tou demorando demais pra postar de novo. O indolencia!

E eu prefiro o iTunes. Nao contesto os comentarios quanto a ripagem de mp3, porque minha inabilidade sensorial nao sabe nem distinguir mono de estereo. Mas a interface do iTunes e muito, disparado, infinitamente melhor.
 

At 6:17 PM, julho 27, 2006, Blogger Bernardo said...

enquanto vc nao posta nada novo:

ÔÔÔÔÔÔ Vice de Novo!
 

At 12:31 PM, julho 28, 2006, Anonymous paula said...

mas o respeito que o cara adquiriu foi por causa dos tempos de genesis - que eu acho bom pra cacete - então nem é tão absurdo assim. concordo que as músicas que ele fez em carreira solo nao são lá grande coisa, mas se vc nao levar a sério dá pra ouvir feliz.
 

At 2:31 PM, julho 28, 2006, Blogger Rodrigo Rego said...

Tem uma teoria pra essa mania de os flamenguistas chamarem o Vasco de vice. Porque no periodo que essa coisa comecou, de 97 a 2001, mais ou menos, o Vasco disputou doze titulos, e ganhou seis. Os seis que perdeu, tirando o Mundial, foram competicoes irrelevantes, como o Estadual, enquanto os seis que ganhou sao torneios de muito maior importancia. Foi um periodo portanto muito vitorioso mesmo se comparado a historia de glorias do nosso time, e que os flamenguistas tentam diminuir, pois ja dez anos antes desse mesmo periodo (e ate a presente data), nao ganharam nada de importante. A coisa do vice foi a unica alternativa de ter algumas alegrias com as (raras) desgracas do muito mais poderoso rival.
 

At 5:48 PM, julho 30, 2006, Blogger Mauro said...

anonimo
bernardo
bárbara
paula
paula
luyza
luyza
bárbara
rego
paula
mauro
mauro
luciana
rego
filipe
lili
lili
paula
rego
bárbara
lili
paula
rego
bernardo
paula
rego
mauro

comentários: 27
comentadores: 10
comentadores não spam: 9, aparentemente
maior número de comentários pela mesma pessoa: 6 (paula)
em 11 dias
caso típico de comentários canibalizando o blog.
 

At 7:32 AM, julho 31, 2006, Anonymous Luyza said...

27 comentarios ja eh sinal claro de que o rodrigo ta demorando pra colocar o proximo post. vou ter q comecar a ler um site de noticias serio se continuar assim. eles postam todo dia. merda. ;)
 

At 2:25 PM, julho 31, 2006, Blogger Rodrigo Rego said...

Esse excesso de comentarios esta me dando uma ideia, de colocar os proximos posts dentro desse post aqui e assim criar um novo blog dentro deste, onde posts e comentarios nao tem nenhum grau de hierarquia, tudo fica igual, democratico, quilometrico.

E se pudessemos comentar comentarios, poderiamos fazer novos blogs dentro dos blogs ja feitos dentro do blog principal, criando mais um desses paradoxos infinitos que todo mundo adora, um blog-matrioska, cada novo post dentro do post anterior.

Seria isso uma revolucao no conceito de blogs ou so uma brincadeira formalista hermetica e vazia?
 

At 5:21 PM, julho 31, 2006, Anonymous paula said...

eu, ENQUANTO recordista de comentários (ou desocupada, vc escolhe) deste post, aviso que não darei o ar da minha graça até ter post novo por aqui (eu me acho importante)

inté.
 

At 3:41 AM, agosto 06, 2006, Blogger Mauro said...

Será que há um limite para o número de comentários? Acho que este já é o post do blog fractal.
 

At 2:22 PM, agosto 06, 2006, Blogger Rodrigo Rego said...

e pronto. novo recorde. não quis comentar antes pra não ser eu mesmo a batê-lo o que ficaria meio esquisito.
 

Postar um comentário

Profile

Rodrigo Rego

Sou designer, fascinado por bandeiras, jogos de tabuleiro, países distantes, e uma miscelânea de assuntos destilados quase semanalmente neste espaço.

Visite meu site, batizado em votação feita aqui mesmo, Hungry Mind.

rodrego(arroba)gmail.com
+55 21 91102610
Rio de Janeiro

Melhores Posts
Posts Recentes

Powered by Blogger

Creative Commons License