segunda-feira, outubro 20, 2008

iPod Shuffle

Bolei um conceito para uma nova banda de rock, dessas que surgem bombando na Inglaterra e caem no esquecimento seis meses depois. Iria se chamar iPod Shuffle.

No show, depois de cada música, o vocalista aperta um pedal que determina aleatoriamente a próxima música. Fica abolida toda a ciência que decide a ordem do show, que prega que tem que começar forte, deixar as baladinhas pro meio e terminar com a casa vindo abaixo. Fica tudo por conta do shuffle do pedal.

Uma outra engenhoca, parecida com um aplausômetro tipo show de calouros, avalia a reação do público. Se estiverem vibrando muito, a banda dá repeat na música. Com silêncio ou vaias, ela é obrigada a interromper e tocar a próxima.

O grupo teria um repertório de cerca de 100 músicas, a maioria de bandas indie, tipo Belle & Sebastian, Los Hermanos e White Stripes. Umas 20 seriam coisas mais antigas, como U2, Blitz, Elvis e Tim Maia. E 10 poderiam ser daquelas nada a ver, que quando aparecem no shuffle na frente dos amigos a gente corre pra pular antes de aumentar o estrago. “Take my breath away” do Top Gun, “Então é Natal”, na voz da Simone, a música dos bichinhos da Parmalat, “Cavalgada das Valquírias” na versão acelerada do Degrau do Inferno, essas coisas.

Pra dar o clima de shuffle, a banda tem que ter vários vocalistas, e de preferência assumir várias formações: com e sem metais, mellotron, tudo acústico ou só no pianinho. E melhor ainda, reajustar os amplificadores a cada música para tocar cada uma num volume.

Difícil arrumar gente tecnicamente apta para a empreitada, eu sei. Eu gostaria de fazer parte, mas meu dom musical se limita a tocar o “Dó-ré-mi” da Noviça Rebelde na flauta doce. Se bem que, seguindo a filosofia da banda, dava até pra fazer uma participação especial.

* * *

Outra possibilidade é aprender a lição de Borges, que diz que é melhor resumir uma idéia em 5 linhas do que espalhá-la por 500 páginas. Ou seja, em vez de uma banda, podíamos então fazer só uma música com o nome de iPod Shuffle.

A música teria a letra deste post, até antes dos asteriscos. Cada parágrafo tem um ritmo diferente. O primeiro é rockabilly. O segundo é um partido alto. O terceiro é sertanejo. O quarto, que é o maior, vai no embalo de Faroeste Caboclo. O quinto é gangsta rap e o sexto é Guilherme Arantes. Entre o terceiro e o quarto tem um jazz instrumental e entre o sexto e o sétimo toca drum ’n’ bass. Pronto, hit instantâneo.

6 Comments:

At 10:09 PM, outubro 20, 2008, Anonymous alexandre v said...

Bolei um conceito para uma-
nova banda de rock!
lala-ra-lala-ralala...
Dessas que surgem bomban-
na inglaterra-e-caem-no-esquecimento-depois-blublabul...

Não, não deu certo...
 

At 10:17 AM, outubro 21, 2008, Blogger Rodrigo Rego said...

Como eu disse, difícil arrumar gente tecnicamente apta para a empreitada... =)
 

At 5:53 PM, outubro 21, 2008, Blogger Mauro said...

Pra falar a verdade, no meio do segundo parágrafo já deu vontade de apertar "next" para reduzir o estrago.
 

At 8:13 PM, outubro 21, 2008, Blogger Rodrigo Rego said...

É, acho que até o público da iPod Shuffle tem que ser bem seleto mesmo...
 

At 8:44 AM, outubro 23, 2008, Anonymous paula said...

essa coisa de fazer mençao a borges nos posts e uma tentativa de se mostrar mais cult? :p
 

At 10:54 AM, outubro 23, 2008, Blogger Rodrigo Rego said...

Claro. Achei que estava sendo discreto, mas você descobriu tudo...
 

Postar um comentário

Profile

Rodrigo Rego

Sou designer, fascinado por bandeiras, jogos de tabuleiro, países distantes, e uma miscelânea de assuntos destilados quase semanalmente neste espaço.

Visite meu site, batizado em votação feita aqui mesmo, Hungry Mind.

rodrego(arroba)gmail.com
+55 21 91102610
Rio de Janeiro

Melhores Posts
Posts Recentes

Powered by Blogger

Creative Commons License