quarta-feira, outubro 12, 2005

Les bandes dessinées

Que design é arte, já chegamos a essa conclusão. Estou interessado agora em saber o quão nobre é a arte do design, poraue todos sabem, existe arte maior e arte menor. O melhor teste pra precisar o nível de exigência estética e intelectual de cada tipo de arte é o dos macaquinhos. Lembram deles? Aqueles que se deixados aos milhares pela eternidade sapateando em computadores podem escrever uma epopéia? Coisa que não deve ocorrer com muita frequência, certamente menos que a quantidade de romances escritos fortuitamente, aue por sua vez são menos prováveis de aparecer que os contos, e estes que as poesias; e estas que os provérbios. Quanto menos obras-primas surgidas a cada bilhão de macaquinhos hiperativos em atividade ininterrupta, mais valor tem o tipo de arte em questão, pois é mais determinada pela racionalidade do artista, e menos pela natureza animalesca dos macacos. Portanto a epopéia é o mais nobre de todos os gêneros literários, e os provérbios e as poesias concretistas de poucas letras, os mais rasos.

As artes plásticas podem ser nobres ou não, dependendo de que estilo estamos falando. Para um macaco parece até bem simples pintar um quadro abstrato, mas um afresco renascentista, esse vai precisar de alguns milênios pra sair. Esculturas também não são tão difíceis, imagine macacos mordendo eternamente blocos de mármore; até a natureza às vezes lapida formas familiares em rochas calcáreas. E cinema é ainda mais fácil, milhões de saguis com uma camera amarrada nas costas capturando imagens aleatórias; depois alguns outros numa ilha de edição fazendo montagens a esmo, e pode surgir um novo Scorcese.

Na França, a maioria das pessoas já conhece a teoria dos macaquinhos, e por isso estão cada vez mais céticas com a lei que vigora aqui estabelecendo gratuidade nos museus para estudantes de arte. Nas bilheterias eles deixam passar sem grandes problemas todos os artistas acima referidos, até os fazedores de provérbio. Mas para futuros designer a coisa começa a engrossar. Uma vez disseram pro Alexandre, tá achando que é artista só por causa desse rabinho de cavalo, monsieur? Design o meu macaco também faz.

E convenhamos que, para um macaco, escolher sem auerer uma garaldina para o texto corrido numa proporção de três pra quatro com a entrelinha e a mancha de menos de 72 caracteres não é tarefa de outro mundo. Mas a maioria das vezes os caixas deixam a gente passar. Implicancia mesmo é com a classe musical. Um macaco passeando agitado num piano escreve por dia duas sinfonias dodecafonicas. Um aue fique sossegado catando piolho o dia inteiro compõe quatro canções pop. Atropelando a lei, como costumam fazer com as que não lhe agradam, os parisienses impedem terminantemente os estudantes de música de entrar no Pompidou sem pagar.

Mas experimente falar que é cartunista. Até hoje nenhum macaco jamais conseguiu fazer uma história em quadrinhos completa, um ou outro já até terminou a primeira página, mas ao final nunca ninguém chegou. Por isso os franceses dedicam enormes sessões de suas livrarias às "bande dessinées" que não sobram no meio dos livros infantis, são considerados literatura adulta, produzidas por autores que gozqm de imenso prestígio nacionalmente. Quadrinhos na França é coisa séria.

Para um macaquinho é praticamente impossível fazer uma bande dessinée. Não é só a improvável missão de desenhar uma imagem inteligível ao lado de outra, é preciso reuni-las em torno de uma história que lhes dê sentido. Muitas diferentes técnicas de estimular o acaso têm sido tentadas, como oferecer bananas de recompensa ou grudar a caneta nanquim na mão dos macacos. Uma delas vem até sendo considerada trapaça pelos peritos; consiste em isolar imagens unitárias inteligíveis produzidas pelos macacos e misturá-las para que outros macacos as coloquem numa ordem aleatória. Mas nem assim conseguem se equiparar ao trabalho de um cartunista legítimo.

Aliás, saíram na França dois Astérix novos, que eu ainda não tinha visto em lugar nenhum. Um eu já comprei.

6 Comments:

At 10:32 PM, outubro 12, 2005, Blogger Mauro said...

Sofrendo com o Monsieur Azerty, já deu pra perceber. É, na França as histórias em quadrinhos são de alto nível (na média nem diria que é tão alto), mas olha o preço!!! Só de 60 Reais pra cima, e em geral as boas histórias são publicadas em 3 ou 4 partes!
O que espanta é a variedade de gêneros, mas diante da vastidão de opções o estrangeiro aflito acaba levando um astérix que é diversão garantida :c) (no meu caso foram as continuações de Star Wars, que nem francesas são).
 

At 8:21 AM, outubro 13, 2005, Anonymous Bárbara said...

É... por isso que eu fiz minha carteirinha da STB como "design/artes". Entrei sem problema em tudo que foi museu francês...

Já na Holanda, tive que desembolsar preciosos TREZE euros pra ver as obras de Van Gogh. Pelo a caixa pareceu bem envergonhada qdo eu perguntei sobre o desconto de estudante: "É... nesse país não tem esse tipo de coisa..."

Engraçado é comprar coisas aqui com a carteirinha alemã... eles não entendem nada mesmo, então é fácil convencer que "número de matrícula" é "validade", e que sua carteira vale até 2010! =)
 

At 6:43 PM, outubro 13, 2005, Blogger Rodrigo Rego said...

po, o asterix custou oito euros só, nao achei caro nao. E eu nem vi preço dos outros, a mim só interessam asterix, tintin, lucky luke e semelhantes.

eu também estou com a carteirinha escrito design arts, mas nem assim a caixa da sainte chapelle deixou a gente entrar... quase que eu nao vou por causa disso, o que seria um tremendo erro. E no Louvre nao tem moleza pra estudante de arte nao! cada ida lá sao oito pratas a menos!

bárbara, muito legal o site, nao sei se vc tinha a muito tempo mas eu só vi agora! galera, clica ali no nome dela pra ver tb!

e @&#!§ de teclado azerty escroto!!!
 

At 8:55 AM, outubro 14, 2005, Anonymous Bárbara said...

Que fofo,! Obrigado, querido!

Eu fiz pra ver se eu arrumo um emprego (estágio, etc) na alemanha... Fiquei louca de vez!

bjs pra vc, pro sumido Rico, e pro monsieur vandesandê aussi
 

At 12:41 AM, outubro 17, 2005, Anonymous zuniga said...

Caro Rodrigo indo direto a questão do desconto p/estudante se vc tirar uma carteira para poder usar
aubergues da juventude vc tem desconto em qualquer lugar, esperimente, abraço zúñiga
 

At 1:31 PM, outubro 19, 2005, Blogger Rodrigo Rego said...

empreo na alemanha? e o alemão, ja se garante?

Zuniga, nao entendi, com carteira de alberguista eu consigo desconto em museu? Nunca ouvi falar disso...
 

Postar um comentário

Profile

Rodrigo Rego

Sou designer, fascinado por bandeiras, jogos de tabuleiro, países distantes, e uma miscelânea de assuntos destilados quase semanalmente neste espaço.

Visite meu site, batizado em votação feita aqui mesmo, Hungry Mind.

rodrego(arroba)gmail.com
+55 21 91102610
Rio de Janeiro

Melhores Posts
Posts Recentes

Powered by Blogger

Creative Commons License