terça-feira, novembro 29, 2005

Cidades com B

Das quarenta e seis capitais européias, vinte e seis, ou quase dois terços, começam com cinco letras específicas.

Quatro com A: Amsterdam, Atenas, Andorra e Ancara

Quatro com L: Londres, Lisboa, Ljubljana e Luxemburgo

Quatro com M: Moscou, Madri, Minsk e Mônaco

Seis com V: Viena, Varsóvia, Valetta, Vaduz, Vilnius e Vaticano

E oito com B: Berlim, Berna, Budapeste, Bruxelas, Bucareste, Bratislava, Belgrado e Baki. Poderia forçar um pouco a barra e incluir Belfast, capital da Irlanda do Norte, ou dizer que em muitas línguas o V e o B se confundem, mas não é necessário torcer estatísticas para evidenciar que a Europa é amplamente dominada pela letra B. Um país em cada seis batizou com ela sua principal cidade, todos de relativa importância com exceção do Azerbaijão.

Me veio então a idéia de uma alternativa à União Européia: a União dos Países Europeus cuja Capital Começa com B. Ela se espalharia desde Bruxelas, no canal da Mancha, passando pela Alemanha, Suíça, e supondo que a Eslováquia conquistasse a República Tcheca, continuaria sem interrupções através da Hungria e Romênia até o Mar Negro, e cruzando-o, atingiria o Cáspio, além de um braço para o Mediterrâneo através da Sérvia.

Mas pra quê esse regionalismo europeu? Extendendo-se em um pacto mundial, essa poderosa organização incluiria potências emergentes sulamericanas, como Brasil, Colômbia e Argentina, e tigres asiáticos como a China e a Tailândia, todos praticando o livre comércio, abrindo suas fronteiras e trocando culturas baseados no seu ponto em comum, em sua mais significativa semelhança, as capitais que começam com B.

Aliás, a letra B está em alta entre as capitais do mundo. Faz maioria também nas Américas, seis ao todo, e sobrepuja as letras adversárias também na Ásia, onde são oito. Na África, atinge um honroso terceiro lugar, também com seis capitais. De tão abrangente, o pacto teria enorme alcance diplomático, podendo intervir no genocídio do Congo (capital Brazzaville), na grave questão árabe no Líbano (capital Beirute) ou mesmo na guerra americana (capital sem B) no Iraque (capital Bagdá), cidade esta que é um marco para as capitais com B. Bagdá é a cidade mais antiga do mundo, a que inventou o conceito de urbanidade, de que uma comunidade sedentária infraestruturada de pessoas vivendo sob regras de conduta comuns teria mais chance de sobrevivência do que tribos nômades. Bagdá já foi Babilônia, eixo do império de mesmo nome, a cidade mais poderosa do mundo.

Cidades com B foram determinantes na História. A era Medieval acabou com a tomada de Constantinopla (antiga Bizâncio), Beijing não é só a atual capital chinesa como a cidade central de um enorme império que remonta a séculos antes de Cristo na antiguidade, e aliás, Cristo nasceu em Belém. Boston foi a primeira cidade das treze colônias americanas, fundada pelos imigrantes do Mayflower, pouco depois seguida por Baltimore – e não imagino o que seria dos Estados Unidos sem essas duas. Ou da Espanha sem Barcelona, da Inglaterra sem Birmingham, da Itália sem Bolonha ou da França sem Bordeaux – ou onde ficaria o governo da Alemanha Ocidental se não houvesse Bonn? As cidades com B têm tudo a ver com o renascimento urbano e o colapso do feudalismo, ou não teriam sido chamadas de burgos, e seus inúmeros exemplos espalhados em nomes de cidades mundo afora – Hamburgo, Estrasburgo, Salzburgo – e até Nova Friburgo.

* * *

Algumas letras podem ser associadas a determinadas categorias. Frutas costumam começar com A, bebidas com C, atacantes da seleção com R. Do mesmo modo, não se pode pensar em cidades sem pensar na letra B, nem na letra B sem pensar em cidades. São conceitos interdependentes.

6 Comments:

At 9:52 PM, novembro 29, 2005, Blogger Alexandre said...

um dia todo mundo percebe "ih ja notou como a letra E aparece muito? Ja viu como tem bilhoes mais palavras com A do que com, sei la, L". E todomundo percebe que é uma ideia bem estupida, que dai nao sai coelho algum, e esquece o assunto. Mas nao se seus dois nome comecam com R.
 

At 7:26 AM, novembro 30, 2005, Anonymous Bárbara said...

É... as pessoas com B também são muito marcantes... hehe

Sobre minha viagem, relaxa que meu itinerario tbem está beeeem nublado. Qdo chegar mais perto a gente conversa melhor.
 

At 2:36 PM, novembro 30, 2005, Blogger Rodrigo Rego said...

Alexandre certamente não é adepto da maneira oriental de ver o mundo. Se fosse, saberia que tudo se relaciona com tudo, e coincidências não existem. Pode ser que ao batizarem suas cidades, os homens o tenham feito usando o alfabeto igualmente de uma ponta a outra, sem maiores privilégios, mas foram as cidades com B que, ao longo dos séculos, provaram sua maior significância. Numerologia, numerologia, a mesma que determinou não só que meu nome e sobrenome começassem com a mesma letra, como que sua primeira sílaba fosse a mesma dos nomes do meu pai e da minha mãe.

E aliás, somos todos excelentes atacantes de futebol.
 

At 6:47 PM, novembro 30, 2005, Anonymous luayza said...

mais um deleite! vc ja viu o livro do americano yuppie que relaciona a taxa de criminalidade de nova york com a permissao do aborto 20 anos antes? É um teoria quase tão absurda quanto a sua só que provada por modelos estatísticos. Acredite quem puder.
 

At 11:26 AM, dezembro 01, 2005, Anonymous Lili said...

Rodrigo... sua criatividade REALMENTE me assusta.
Mas é incrível a liga que vc achou. Fiquei espantada. Essas coisas que a gente nunca pensa. Será que existe realmente um motivo pra essa bezada toda?

Ah, e não se anime: meus leitores podem gostar dos Beatles mas a pressão não me fará mudar. A não ser que alguém promova um workshop de Beatles na minha vida pra que eu conheça os caras e os ame de paixão. Se isso não acontecer... o Rei pra mim continua (e vai continuar, com ou sem Besouros) sendo o Elvis.
Bjo.
 

At 2:30 PM, dezembro 02, 2005, Blogger Rodrigo Rego said...

Conheço a teoria sim! Esse cara é economista, na verdade de um ramo mais específico da economia, chamado Microeconomia. Essa disciplina tem mais a ver com o significado dos radicais gregos da palavra economia mesmo, em vez de se preocupar com juros, tenta explicar fen⁄ômenos com fórmulas, números e constantes... E foi o que esse cara fez, relacionando a liberação do aborto á queda da criminalidade, eu acho... Estou certo? Vítor ou Baére, tão lendo isso aqui ainda? Dêem uma palinha pra nóis aí, que é interessante!

Agora Luysa, até vc querendo me avacalhar?? Como assim só a teoria do cara que é provada? A minha não é? Fiquei futucando tudo que é capital do mundo inteiro e separando por continente à toa, é? Mais uma então pra vocês: Adivinha qual é a letra que predomina nas capitais brasileiras? Pois é... Brasília, Belo Horizonte, Belém e Boa Vista!

E Beatles... começa com B!
 

Postar um comentário

Profile

Rodrigo Rego

Sou designer, fascinado por bandeiras, jogos de tabuleiro, países distantes, e uma miscelânea de assuntos destilados quase semanalmente neste espaço.

Visite meu site, batizado em votação feita aqui mesmo, Hungry Mind.

rodrego(arroba)gmail.com
+55 21 91102610
Rio de Janeiro

Melhores Posts
Posts Recentes

Powered by Blogger

Creative Commons License