segunda-feira, março 23, 2009

Manual do transgressor moderno


Se você é como eu, então é do tipo que troca de opinião de acordo com o interlocutor — só que ao contrário. Você é um do contra sistemático, compulsivo. Ao lado de um banqueiro, você é comunista, perto de um cientista, você defende a criação divina.

Podem te achar inteligente e podem te taxar de mala, o segredo está na dose. Não digo pra você inibir seu dom, mas não o banalize. Não desperdice a lábia justificando o desmatamento e os neonazistas. Se bandear automaticamente pro lado oposto só pra evitar o consenso não te faz um transgressor. Você é tão rebanho quanto os carimbadores da unanimidade.

Quer ser do contra, seja comedido. Escolha um consenso latente, sobre o qual ninguém escreve no jornal. Pode ser uma trivialidade. Aí faça o oposto e contemple na cara das pessoas o espanto de descobrir aberta uma porta que elas achavam que era parede.

Algumas sugestões:

1- Use bigode.
Hoje cada um faz o que quer com os pelos da cara. O conservador raspa, o relaxado deixa solto, o ousado cria cavanhaque, costeleta, até suíças. Mas ninguém abaixo dos 40 deixa só o bigode. O banal virou a última fronteira. Em 50 anos, o último bigodudo terá morrido, e o mundo ficará de buço pelado. Cresça um belo bigode, e saboreie a espuma do chope horas depois do copo vazio.

2 - Vire católico.
Ah, está tão na moda largar o catolicismo. Cada vez mais gente se abarrota em cultos evangélicos. Os artistas estudam a cabala, viram budistas ou espíritas. Dizem que a Igreja tem muitos crimes no currículo, mas as outras religiões também devem ter matado muitos judeus, é só olhar de perto. E você que é ateu, não me tire o corpo fora, que muitos genocídios já foram cometidos em nome da deusa razão, é só dar um pulinho na União Soviética. Vire católico, no ritmo da debandada é capaz de você ser o único restante para ser o próximo papa.

3 - Batize um filho com o seu nome.
As pessoas têm sido bem criativas ao nomear a prole. Tudo pra evitar que haja outros iguais na escola. As classes alta e baixa evidentemente têm uma concepção bem diversa do que seja um bom nome para o rebento. Mas repetir o nome do pai é considerado cafona não importa a origem. Você pode e deve usar o seu filho como parte do seu libelo contra a arbitrariedade da moda. Chame-o de Júnior, e a cada vez que ele voltar surrado do colégio, você terá certeza de que a sociedade tem muito a aprender com você.

4 - Batize uma filha com o nome da sua esposa.
Se você for um do contra radical e receber a graça de uma filha mulher, não deixe escapar a chance de dar-lhe o nome da sua esposa. Não há precedentes para tamanha transgressão. Observe o estupefato do escrivão tentando decidir se a chama de “Maria da Silva Filha”ou “Maria da Silva Júniar”. Deixe que ele escolha. Você já ganhou a parada.

7 Comments:

At 11:10 AM, março 25, 2009, Anonymous Alexandre Van said...

2029 rodrigo é um homem católico, bigodudo, pai de rodrigo rego junior - batizado e comunhado - e paula filha - crismada e tudo - , senta todos os dias pra ver reprises de domingao do faustão, porque é o único que ainda elogia as qualidades da televisão (nada dessas coisas de internet).

mmm... que futuro extremamente transgressor que lhe espera! Agora entendi em que momento as pessoas tornam-se aquele velho mala que fura as bolas que caem em seu jardim.
 

At 11:51 AM, março 25, 2009, Blogger Rodrigo Rego said...

E em 2029, João e Ana, filhos do Hare Krishna Alexandre brincam felizes à tarde no campo da comunidade alternativa em Mauá, onde a família mora. Mas é difícil encontrá-los para o banho, pois a comunidade alternativa já tem quase 3 milhões de moradores, e metade das crianças se chama João ou Ana.

Alexandre começa a achar que a verdadeira comunidade alternativa está na bela cidade do Rio de Janeiro, onde um dia morou, e que hoje não tem mais de 20 mil habitantes católicos e bigodudos, convivendo pacificamente à beira-mar.

O problema, meu caro, é aliar as pequenas e inofensivas tradições dos nossos avós com a sisudez e o conservadorismo que eles representam. Mas crescer o bigode não tem nada a ver com ser um velho ranzinza.

Careta é ter cavanhaque. O velho é o novo novo.
 

At 8:05 AM, março 26, 2009, Anonymous Anônimo said...

ha,ha,ha...estou adorando isso...muito bom..
 

At 9:34 AM, março 26, 2009, Blogger Mauro said...

Lendo seu post lembrei-me deste aqui:
http://fdr.apostos.com/2009/01/ideia_para_animar_um_jantar.html

Será que você desvendou a motivação por trás da minha crisma?

Qual é a sua nova banda preferida? Binário (pelos bigodes) ou Roupoa Nova (pelo som ultrapassado de trilha sonora de novela)? Já sei, Kansas é uma banda de velhos bigodudos totalmente fora de moda, batizada com o nome de um estado onde a sodomia é ilegal. E o pior é que as músicas são boas de verdade, eu me amarro.
 

At 10:20 AM, março 27, 2009, OpenID elisacolepicolo said...

Adorei!

Mas acho melhor ainda do que ter um filho/filha com o nome dos pais se, em vez de Junior ou Filho(a), for Segundo(a). Rodrigo Rego Primeiro e Rodrigo Rego Segundo: seus dois filhos. Incrível, não? Eu conheço um Segundo. Alair. Imagina se o pai não tá na tua onda? Deve inclusive usar bigode.

Eu fiz outra escolha, em vez de voltar pro catolicismo: escolhi não ser nada e ir a todas as religiões. Vc precisa ver a cara de espanto que me olham. Pior do que voltar a ser católico é não ter religião sem ser ateu.

A contra-mão do mundo é muito mais divertida! :D

Bjo.
 

At 6:31 PM, março 27, 2009, Anonymous Alexandre Van de sande said...

Não justamente. Eu não vou me mudar para uma comunidade em mauá porque, apesar de gostar de natureza, não vou mudar meu estilo de vida e forçar meus filhos por incoveniencias só para ir contra alguma coisa - seja isso na crista da onda ou na contramão.

Ao contrario de você. Crescer bigode ou cabelo dá no mesmo, você está tomando uma atitude radical so para provar um ponto que nao ajuda ninguem.

Venha para o meu movimento politico o "partido cool down", onde somos radicalmente contra radicais.
 

At 7:07 PM, março 28, 2009, Blogger Rodrigo Rego said...

Alexandre, vai ser uma vida meio monótona essa, de ficar sempre em cima do muro. Você não se sente mais vivo defendendo alguma coisa com unhas e dentes? Aliás, você não era um defensor radical do software livre e tal?

Elisa, o Alair segundo, coitado, o pai deve ter se vingado no filho. Não pelo "segundo", mas pô, repetir Alair?

Mauro, já gostei de Kansas, mas isso foi na época que eu achava que gostava de rock progressivo. Hoje acho um porre. E lógico que você virou católico pra sacanear os ateus, vai dizer o quê, que você acredita em Adão e Eva?
 

Postar um comentário

Profile

Rodrigo Rego

Sou designer, fascinado por bandeiras, jogos de tabuleiro, países distantes, e uma miscelânea de assuntos destilados quase semanalmente neste espaço.

Visite meu site, batizado em votação feita aqui mesmo, Hungry Mind.

rodrego(arroba)gmail.com
+55 21 91102610
Rio de Janeiro

Melhores Posts
Posts Recentes

Powered by Blogger

Creative Commons License